segunda-feira, 29 de junho de 2015

Excessivamente Feliz

O título só podia ser este! E a verdade é a mais pura e genuína, estou sou excessivamente feliz e com o coração (e os olhos) a rebentar de sentimentos muito bons. Este será - de certeza - o post mais testamental deste blog. E, acreditem, vão sempre faltar palavras para descrever o quão bom foi este fim-de-semana... Foi Upside Down!


Não é novidade nenhuma para ninguém que tenho uma paixão enorme pelo "outro", sou apaixonada pelas pessoas e quando essas mesmas pessoas são um pouco "minhas" (minha família, minhas amigas, minhas crianças...) a coisa torna-se magnanimamente grandiosa! E, todos os que me acompanharam neste "louco" fim-de-semana são "meus". São grandes, especiais, brutais.
A ideia inicial era irmos para a Casa de Saúde do Telhal ao encontro das pessoas mais puras de coração que eu conheço. Mas este encontro veio a tornar-se algo muito maior que isso! E, muito sinceramente, fiquei imensamente surpreendida com tudo o que aconteceu nestes dois diazinhos...
Os desígnios de Deus, são de facto surpreendentes! No final desta "louca aventura" dei por mim a questionar como é possível, eu ainda não conhecer totalmente estes seres especiais que acompanho há 10 (dez!!!) anos e que levei para o Telhal? Isto no bom sentido, claro! É que me fizeram uma bonita surpresa: surpreenderam-me muito... e ensinaram-me muito também! Eu sabia que eles iam gostar, mas estava longe de imaginar que gostassem tanto, que se apaixonassem...
Mas vamos por partes...


Na sexta-feira chegamos, eles conheceram o Fernando Oliveira (uma grande, grande pessoa, com um coração enorme e com uma vida quase exclusivamente dedicada àquela grandiosa casa). Depois conheceram, a casa, os espaços, os corredores, os túneis... E nada de ver utentes! Alguns quando pisaram aquele espaço estavam hesitantes, nervosos, amedrontados... Mas, o facto da casa onde iamos ficar ter que abrir unicamente com um código ajudou a acalmar, e depois eles sabiam que não ia acontecer nada de mal pois eu não o deixaria! Ajudou também saberem que alguns amigos meus viriam dar uma ajudinha a segurar as pontas e a instabilidade que pudessem sentir...
Depois do jantar e de algum tempo livre, haviam pipocas e uma sessão de cinema à nossa espera! O filme, um épico que fazia todo o sentido: Patch Adams!!! Um filme muito apropriado que deixou todos muito derretidos... Terminamos a noite, madrugada dentro, com uma bonita oração. Rezamos pelos doentes, por todos os doentes que conhecíamos, pelos doentes daquela casa e pelo Pe Ricardo Neves em especial, de quem já falei aqui. Se há grupo que sabe o quanto vale uma oração, qual o puder da oração é este! E que assim seja sempre...
Depois comemos qualquer coisa e eles subiram para se deitarem, mas dormir estava complicado! Estavam excitados e, claro felizes! Eu tinha pensado e tinha que lhes preparar algumas surpresas para o acordar de sábado, mas o facto deles não adormecerem estava a complicar-me a vidinha. Mas para sete teimosos, nada como a minha teimosa pessoa, E, venci! Já o sol estava a nascer quando, finalmente, consegui ir colocar um narizinho de palhaço junto a cada um deles. Quem viu o filme percebe porquê, quem não viu, vale a pena ver...


E como o dia estava a nascer, não o quis desperdiçar e já não me deitei. Fiquei um pouco mais à conversa com a amiga T.V. sobre a vida e o destino/rumo de algumas coisas... Ás vezes queria muito que certas conversas fossem possíveis de mudar o mundo... 
Depois, foi altura de tomar um duche e dar inicio ao despertar ao som da música que puderam ouvir em cima. Tinham uma mensagem à espera deles,

Quem vai dizer o que é impossível?
Bem, eles esqueceram que este mundo continua girando…
E a cada novo dia, EU posso sentir uma mudança em tudo (…) Mas de algum modo eles permanecem os mesmos.
Eu quero (…)
Eu vou encontrar (…)

que nem todos (por causa do sono!) viram. Mas que todos fizeram questão de descobrir aos poucos! De seguida, tomamos o pequeno almoço e já na companhia do Fernando fizemos a oração da manhã diante do Santíssimo. Depois o Fernando apresentou-se mostrando o modo como se apaixonou inesperadamente por aquela casa e, claro ambientou-os de forma tocante a todas as coisas que iriam encontrar/ver/experimentar! Mostrou-lhes um borrão e ajudou-os a ver para lá desse borrão desmistificando todos os conceitos sobre os doentes mentais e apagando todas as imagens que eles podiam ter sobre essas mesmas PESSOAS. Mas, as palavras valem o que valem e pouco depois era tempo de irmos ao encontro dessas pessoas... E, claro! O medo não passa só porque nos disseram algo muito bonito, temos que ir ao encontro/confronto. E o nosso primeiro encontro foi tão bonito, genuíno e feliz... Aliás, não podia ser de outro modo! Logo à entrada, fomos tão bem acolhidos pelo o nosso querido "utente de boas vindas", o Deodato (único nome que revelarei porque não há quem conheça o Telhal, que não o conheça!) que o gelo começou a derreter com muita facilidade.
A manhã foi passada de unidade em unidade a conhecer as pessoas e depois tivemos que escolher onde ficar... Fomos para 4 unidades "Sto António", "Frei Júlio", "Sto Agostinho" e "São Rafael". As unidades são casas, todas muito especiais e diferentes, onde se encontram os utentes. O nosso almoço foi de expectativa e os inícios dos trabalhos uma "louca aventura" ou várias, vá...

Continua...

Sem comentários:

Enviar um comentário