segunda-feira, 12 de junho de 2017

Para ler nas entrelinhas

Ontem de manhã cedo, enquanto conduzia e vinha sozinha do Catujal para o Sobreiro, pensava no turbilhão de coisas que têm acontecido... E, após a excelente homilia do meu padre e da agradável surpresa de uma jovem que me diz "eu quero e vou entrar para o grupo e para a jmv" noto como as emoções são tão difíceis de gerir! Emoções muito boas. Mas, difíceis de encontrar as "palavras certas" para as descrever, sem parecer que sou cruel. A verdade é que hoje eu estou certa que o que aconteceu na minha comunidade em novembro foi muito bom! Chorei, sofri, não compreendi e chorei... e passei por uma dor que de cristão nada tinha!!! (Nunca o partilhei por aqui porque estava de tal modo magoada que só queria esquecer aqueles momentos...)
Mas depois, graças à tempestade tive que me reerguer, ser exemplo de paz e perdão, limpar a casa...
Ao refazer o centro local, um dos nossos muitos compromissos era tornar o grupo forte, evidenciar que as diferenças existem e que são boas, passar a ir a mais atividades da JMV e caminharmos sempre unidos com a certeza que estamos no caminho certo! E, depois tivemos as eleições... e a ida o Telhal! E pronto. Depois, tudo o que tem acontecido parece agora fazer e ter um real sentido. Na verdade, se as coisas não tivessem acontecido assim, hoje nada seria possível! Provavelmente não tínhamos ido ao Telhal... nem ao torneio... nem nada estava a ser tão bonito!
Parece cruel! Mas, ainda bem que os outros jovens saíram da JMV, ainda bem que deram a hipótese destes miúdos mostrarem que são de um centro local brutal! Ainda bem que sairam para que haja lugar a mais e melhor... As coisas podiam ter acontecido de outro modo? Sim, podiam. Mas, foram assim. E, é assim que a história hoje nos faz ainda mais felizes!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Bolos e Bolinhos #14

Hoje são dois os bolos para mostrar neste post!!!
Neste fim-de-semana foi a Profissão de Fé do meu sobrinho mais velho e, embora me tenha comprometido com o bolo para a igreja, tive mesmo que fazer o bolo lá para casa. Simples mas muito bonito, acho!
O bolinho lá de casa foi de laranja com recheio de doce de ovo, amendoa e canela. O da comunidade tinha três sabores com três quatro recheios: limão com marcarpone; limão com doce de ovo; chocolate com frutos silvestres e cenoura com chocolate.




 





#64 Frase da Semana


#3 Aos fins-de-semana acontece!

Mais um fim-de-semana cheio! Cheio de trabalho, de alegrias, emoções, conversas e certezas que assim vale a pena... 
Sexta à noite os compromissos e correria do costume juntos à vontade de estar em todas as frentes, atrasos vários, telemóvel sem bateria... Mas entre todos os stresses acabei por ter uma noite muito agradável e em boa companhia. E isso, é o que mais importa! Estarmos com quem nos faz bem e sermos felizes.
No sábado voltei a ter que madrugar! Gosto muito de dormir. Mas, já percebi que, para fazer todas as toneladas de coisas que me comprometo e que quero mesmo fazer, tenho sempre que prescindir de alguma coisa, pois o tempo definitivamente não dá para tudo. E, por muito que me custe, acordar cedo é a solução quando o dia é realmente pequeno para tudo! E cedo é mesmo cedo: 6:50h!!! Ok. Há pessoas que se levantam bem mais cedo... Mas para mim é um verdadeiro sacrifício... Até porque me tinha deitado perto das quatro e porque ando muito cansada e porque ando com o descanso/sono em défice e, não sei se já disse, mas acordar cedo para mim é mesmo um grande sacrifico.
Depois durante a manhã, fiz um bolo de limão divinal, tomei um simpatico - e merecido! - pequeno almoço  com vista para o mar em família, fiz as compras do mês, descansei 5 minutos no sofá, almocei a correr, E, durante a tarde, voltei à carga e à correria: estive, quase 1 hora, á procura de uma chave que supostamente tinha ganho asas, avancei para a montagem e decoração de um mega bolo (falo dos bolos mais a pormenor no próximo post!) e depois toda uma luta para o acabar "depressa"; Depois ainda ajudei na decoração das flores na Igreja, dobrei guiões para a missa no dia seguinte, dei uma mãozinha na "frase" e voltei, já no dia seguinte, para casa. E imaginem só o que ainda tinha mesmo que fazer??? (...) Decorar um bolo para o meu puto que no dia seguinte faria a profissão de fé! Ufa!!! Mas antes deliciei-me com um bifinho de frango em bolo do caco durante cerca de 10 minutos no sofá e soube-me pela vida toda. Depois coloquei literalmente a mão na massa/pasta de açúcar e era já madrugada fora quando caí redonda na minha cama...
O domingo foi complicado de acordar, de me levantar, de me arrastar para o banho e de sair de casa... Mas, 10 minutos depois tudo passa e há tanto por fazer que se faz e pronto! E pronto: foi com simplicidade e nenhum nervosismo que "o meu puto" fez a Profissão de Fé e que se viveu o momento com uma grande homilia, com um grande pastor a celebrar o momento e com a certeza que, se não forem estes miúdos, a fazer diferente na Igreja e a transmitirem uma fé sempre nova e renovada, a Casa do Pai será sempre um lugar desajustado àquela que é a realidade!
No final, uma pequena peripécia de bichos... Ontem, não dei catequese. Mas, saí da igreja quase à hora habitual. Fui comprar o marisco fresco para o almoço e fui para casa fazer o almoço... :) Sim! Fiz um belo arroz de marisco, comi umas cerejas divinais e, quando planeava a sesta domingueira, lembrei-me de um café que tinha combinado. Confesso que me custou um bocadinho sair de casa, mas foi muito bom!


Fomos beber café, conversar e arrumar ideias... E acabamos por estar "no meio" de um batizado e até tivemos direito a champanhe e bolo, oferecido pelo pai da criança, tendo em conta a nossa simpatia em termos trocado de mesa para eles estarem mais à vontade. Só trocamos de mesa! Mas ainda há pessoas que valorizam pequenos gestos!!! Estas "Jesusincidências" fazem-me sentir tão feliz! E aquela família não podia sequer imaginar que, nós duas - eu e a B. - estivemos ali, maioritariamente a falar da igreja e da fé onde Eles, momentos antes tinham introduzido o seu filho. Que bonito!!!
A conversa foi muito positiva e necessária... Aos 18 puder ter a capacidade e a humildade de pedir a alguém mais velho (eu!!!) para a ouvir e ajudar a arrumar algumas ideias só pode ser sinal de que ainda há jovens muito bons e capazes de fazer mais e melhor, não só pela igreja, mas também pelo mundo. Saber que se tem responsabilidades e que temos que ser exemplo para os outros, que Deus nos criou em harmonia com tudo o que existe para a felicidade plena, preocupar-se com os que estão à nossa volta, estar de coração cheio com a homilia que se ouviu de manhã e tanto, tanto mais... faz-me - de novo - ficar extremamente orgulhosa por ter ajudado "um ser" assim a crescer!!!
Depois a noite terminou com a reunião do grupo, com uma catequese diferente que não foi mais do que um validar de tudo o que eu já sabia e que sentia. Ontem, em dia de Espírito Santo, pude senti-lo na minha vida verdadeiramente, como naquela manhã de pentecostes e como em tantas outras...
E, como o Z.P. ontem nos dizia, quando passamos por certas coisas que nos marcam profundamente temos dificuldade de arranjar palavras para o que foi aquele momento e o que se sentiu... Ontem e este fim-de-semana foi assim! Amém.