sexta-feira, 30 de junho de 2017

Vou falar do assunto do momento!!!

Os gémeos do Ronaldo... :)


Não há quem não comente, quem não critique, quem não atire pedras, quem não tenha qualquer pequena malvadez para dizer... Já eu, digo o seguinte: esta foto derrete-me o coração! Ah e tal, foi tirada porpositadamente para isso, para derreter corações e vender revistas e dar que falar e encher a net de falatório e blá, blá, blá... Pois, sim! Mas, que está amorosa ninguém pode negar. Certo?
Eu, mais do que ninguém, acho que é importante as crianças terem uma mãe, uma mãe é muito importante ao lado das crianças! A figura de "mãe" é um pilar fundamental no crescimento e na vida das crianças. Mas, eu também sei, que mais do que isso o importante é que as crianças sejam felizes! E, quantas não são as crianças infelizes neste mundo? Quantas crescem com más mães? Se, estes dois anjinhos lindos forem felizes, para mim isso já me chega! E, pelo que se vê do outro filho que o Ronaldo tem, não parece que os vá tornar infelizes, tratar mal ou não cuidar com todo o amor que eles necessitam. Não me parece que seja um mau pai. E, não falo do dinheiro que ele tem!
Depois, aprofundando um pouco mais o assunto, há outras coisas e questões mais sérias que se podem levantar... Questões relacionadas com a dita "compra" dos bebés por este pai que até parece ser um grande pai; com todo o mediatismo a que as crianças vão estar sempre expostas e com mais uma data de "ses", "para quês" e "porquês" que se podem fazer... Mas, na minha humilde opinião, há uma inquietação que me desconcentra! Principalmete quando olho para as fofuras destes dois seres tão pequeninos... Não sei, se tem a ver com o facto de eu ser mulher, mas a mim faz-me muita confusão essa "coisa" das barrigas de aluguer. Uma mulher gerar vida como se fosse um robot de cozinha? Vou gerar um filho para o entregar a outro/outros... Tipo uma encomenda de um bolo, de um bacalhau com natas ou um arroz de pato... Bolas!!! Vai com "a encomenda" um pouco daquela mulher!!! Foram gerados no seu seio... carregou-os 9 meses... soube que estavam bem... e que iam ser dois... e sentiu-os mexer... e crescer... e levam o seu ADN... e o seu sangue... e... e... e... E teve-os para dar!!! Corrijo, Vender!!! Para mim era mais simples dar ou vender um rim ou outro orgão assim do género, que não me fizesse falta, agora um Filho!? Enquanto mulher não percebo a opção das mulheres que são barrigas de aluguer...

Mas, em relação à foto e aos bebés (já disse que são lindos? E super fofos?) só desejo e espero que sejam muito felizes!!!

#38 Conversas

 - Tu fazes o quê?
 - Agora nada! :)
 - Ah ah ah... Não, a sério o que fazes profissionalmente?
 - Porquê?
 - Curiosidade. Trabalhas com pessoas, atendes pessoas, ouves pessoas?
 - Não. Nem por isso... Porquê? Sou secretária...
 - Oh! A sério? Que pena, és tão comunicativa.

"Não te apaixones por mim!" - É uma ordem!

Um dia, algures perdido (ou não!) na minha história de vida, numa idade e com um alguém que só eu sei, disse algo que de muito me arrependi, até hoje! Disse a "um amigo" que eu era má pessoa para ele se apaixonar, que o ia magoar, fazer sofrer e que por favor que esquecesse essa ideia tola de gostar de mim, porque eu só lhe ia fazer mal e era muito menos do que aquilo que ele merecia... E, dai em diante, esforcei-me ao máximo para ser o mais distante e fria para que ele me "largasse". E, assim aconteceu. Mas, eu não sabia nada do que estava a dizer...
Aquela forma simples e sincera com que ele me disse aquela que era uma das verdades mais bonitas da minha vida, assustou-me tanto que eu reagi a quente (como fazia sempre, na altura!). E assim acabei por não ter aquele que podia ter sido o amor mais verdadeiro de sempre...
Hoje lembrei-me disso ao ler o seguinte texto, algures neste mundo de palavras soltas que é a Internet:

"Não te apaixones por mim...
Porque eu vou mandar-te mensagens lamechas a toda a hora e sem motivos lógicos: de bom dia, de boa noite... e vou escrever-te quando não conseguir dormir e estiver a pensar em ti.
Vou oferecer-te flores... vou enviar-te bombons... fazer-te surpresas e todos os dias surpreender-te com algo novo e apaixonado...

Não te apaixones por mim...
Porque eu vou ter sempre saudades tuas, nossas... e vou fazer questão de te mostrar na presença e na ausência o quanto gosto de ti. Vou ser meticuloso com os detalhes, vou preocupar-me contigo e querer cuidar de ti para sempre. Cuidar de ti e cuidar-te como se fosses única...

Não te apaixones por mim...
Porque eu nunca te vou mentir... e vou querer dar-te tudo, partilhar cada pormenor da minha vida e dos meus dias contigo. Vou recordar todas as datas importantes e também todas as outras, como o dia em que nos conhecemos, o teu aniversário, o do cão, do gato e do periquito... vou lembrar-me de cada mensagem trocada... cada carinho... cada sorriso... cada gesto... cada beijo... cada respirar teu... cada suspiro nosso...

Não te apaixones por mim...
Porque eu vou olhar para ti de uma forma sempre nova e especial, vou olhar-te todos os dias de um modo único e sempre mais apaixonado... Vou reparar no detalhe mais subtil... e vou acha-lo inigualável. Provavelmente vou escrever sobre ele, sobre ti... sobre nós. Vou fazer questão de que sintas diariamente o que representas para mim...

Não te apaixones por mim...
Porque eu vou aceitar todos os teus defeitos e vou fazer de tudo para trazer ao de cima só o melhor de ti... virtudes que tu própria não aceitas... coisas que não conheces... vou fazer de ti a pessoa única e especial que és hoje para mim.

Não te apaixones por mim...
Porque eu vou ser diferente de todas as pessoas que já conheceste... e vou mostrar-te da forma mais simples, mais verdadeira, mais pura, mas também a mais intensa possível o que é o amor... o que é ser amada... o que é seres a minha amada.

Não te apaixones por mim...
Porque mesmo magoada, zangada, triste e revoltada... mesmo nos silêncios e nas ausências... nos momentos em que tu mesmo já não te suportares...  eu vou estar do teu lado, sempre disponível para ti...

Se achas que não estás à altura de algo tão sublime... se não te consideras merecedora de sentimentos tão nobres como a paixão, a amizade, o carinho, a sinceridade, a simplicidade, a originalidade, a cumplicidade... E o maior sentimento de todos, aquele que sinto sem freio nem medida: O AMOR então, por favor... Não te apaixones por mim!"


terça-feira, 27 de junho de 2017

Sobre o amor...

O amor dessa menina com seu irmão órfão que tem Síndrome de Down é verdadeiramente emocionate!



Pessoas especiais :)

Tenho-as assim como que em saquinhos de "ar fresco" na minha vida... Podem não ser muitas, mas são-me muito! Algumas pertencem ao hoje, outras ao ontem e, quero muito acreditar, que no amanhã muitas mais irei conhecer... Muitas dessas pessoas surgiram na minha vida num momento inesperado, mas soube logo que vinham para ficar, outras estiveram apenas instantes e guardo-as para sempre... A grande maioria sabe que lhes devo muito, mas há também quem nem saiba o quanto me marcou... A verdade é que aquilo que hoje sou é muito do reflexo do que essas pessoas são ou foram para mim, do carinho que me têm e do que fazem comigo, do exemplo e apoio incondicional que são na minha vida e da bonita história que fazemos juntos... Obrigada!!!
Aos que sabem quem são e a todos os outros...


segunda-feira, 12 de junho de 2017

Para ler nas entrelinhas

Ontem de manhã cedo, enquanto conduzia e vinha sozinha do Catujal para o Sobreiro, pensava no turbilhão de coisas que têm acontecido... E, após a excelente homilia do meu padre e da agradável surpresa de uma jovem que me diz "eu quero e vou entrar para o grupo e para a jmv" noto como as emoções são tão difíceis de gerir! Emoções muito boas. Mas, difíceis de encontrar as "palavras certas" para as descrever, sem parecer que sou cruel. A verdade é que hoje eu estou certa que o que aconteceu na minha comunidade em novembro foi muito bom! Chorei, sofri, não compreendi e chorei... e passei por uma dor que de cristão nada tinha!!! (Nunca o partilhei por aqui porque estava de tal modo magoada que só queria esquecer aqueles momentos...)
Mas depois, graças à tempestade tive que me reerguer, ser exemplo de paz e perdão, limpar a casa...
Ao refazer o centro local, um dos nossos muitos compromissos era tornar o grupo forte, evidenciar que as diferenças existem e que são boas, passar a ir a mais atividades da JMV e caminharmos sempre unidos com a certeza que estamos no caminho certo! E, depois tivemos as eleições... e a ida o Telhal! E pronto. Depois, tudo o que tem acontecido parece agora fazer e ter um real sentido. Na verdade, se as coisas não tivessem acontecido assim, hoje nada seria possível! Provavelmente não tínhamos ido ao Telhal... nem ao torneio... nem nada estava a ser tão bonito!
Parece cruel! Mas, ainda bem que os outros jovens saíram da JMV, ainda bem que deram a hipótese destes miúdos mostrarem que são de um centro local brutal! Ainda bem que sairam para que haja lugar a mais e melhor... As coisas podiam ter acontecido de outro modo? Sim, podiam. Mas, foram assim. E, é assim que a história hoje nos faz ainda mais felizes!

segunda-feira, 5 de junho de 2017

Bolos e Bolinhos #14

Hoje são dois os bolos para mostrar neste post!!!
Neste fim-de-semana foi a Profissão de Fé do meu sobrinho mais velho e, embora me tenha comprometido com o bolo para a igreja, tive mesmo que fazer o bolo lá para casa. Simples mas muito bonito, acho!
O bolinho lá de casa foi de laranja com recheio de doce de ovo, amendoa e canela. O da comunidade tinha três sabores com três quatro recheios: limão com marcarpone; limão com doce de ovo; chocolate com frutos silvestres e cenoura com chocolate.




 





#64 Frase da Semana


#3 Aos fins-de-semana acontece!

Mais um fim-de-semana cheio! Cheio de trabalho, de alegrias, emoções, conversas e certezas que assim vale a pena... 
Sexta à noite os compromissos e correria do costume juntos à vontade de estar em todas as frentes, atrasos vários, telemóvel sem bateria... Mas entre todos os stresses acabei por ter uma noite muito agradável e em boa companhia. E isso, é o que mais importa! Estarmos com quem nos faz bem e sermos felizes.
No sábado voltei a ter que madrugar! Gosto muito de dormir. Mas, já percebi que, para fazer todas as toneladas de coisas que me comprometo e que quero mesmo fazer, tenho sempre que prescindir de alguma coisa, pois o tempo definitivamente não dá para tudo. E, por muito que me custe, acordar cedo é a solução quando o dia é realmente pequeno para tudo! E cedo é mesmo cedo: 6:50h!!! Ok. Há pessoas que se levantam bem mais cedo... Mas para mim é um verdadeiro sacrifício... Até porque me tinha deitado perto das quatro e porque ando muito cansada e porque ando com o descanso/sono em défice e, não sei se já disse, mas acordar cedo para mim é mesmo um grande sacrifico.
Depois durante a manhã, fiz um bolo de limão divinal, tomei um simpatico - e merecido! - pequeno almoço  com vista para o mar em família, fiz as compras do mês, descansei 5 minutos no sofá, almocei a correr, E, durante a tarde, voltei à carga e à correria: estive, quase 1 hora, á procura de uma chave que supostamente tinha ganho asas, avancei para a montagem e decoração de um mega bolo (falo dos bolos mais a pormenor no próximo post!) e depois toda uma luta para o acabar "depressa"; Depois ainda ajudei na decoração das flores na Igreja, dobrei guiões para a missa no dia seguinte, dei uma mãozinha na "frase" e voltei, já no dia seguinte, para casa. E imaginem só o que ainda tinha mesmo que fazer??? (...) Decorar um bolo para o meu puto que no dia seguinte faria a profissão de fé! Ufa!!! Mas antes deliciei-me com um bifinho de frango em bolo do caco durante cerca de 10 minutos no sofá e soube-me pela vida toda. Depois coloquei literalmente a mão na massa/pasta de açúcar e era já madrugada fora quando caí redonda na minha cama...
O domingo foi complicado de acordar, de me levantar, de me arrastar para o banho e de sair de casa... Mas, 10 minutos depois tudo passa e há tanto por fazer que se faz e pronto! E pronto: foi com simplicidade e nenhum nervosismo que "o meu puto" fez a Profissão de Fé e que se viveu o momento com uma grande homilia, com um grande pastor a celebrar o momento e com a certeza que, se não forem estes miúdos, a fazer diferente na Igreja e a transmitirem uma fé sempre nova e renovada, a Casa do Pai será sempre um lugar desajustado àquela que é a realidade!
No final, uma pequena peripécia de bichos... Ontem, não dei catequese. Mas, saí da igreja quase à hora habitual. Fui comprar o marisco fresco para o almoço e fui para casa fazer o almoço... :) Sim! Fiz um belo arroz de marisco, comi umas cerejas divinais e, quando planeava a sesta domingueira, lembrei-me de um café que tinha combinado. Confesso que me custou um bocadinho sair de casa, mas foi muito bom!


Fomos beber café, conversar e arrumar ideias... E acabamos por estar "no meio" de um batizado e até tivemos direito a champanhe e bolo, oferecido pelo pai da criança, tendo em conta a nossa simpatia em termos trocado de mesa para eles estarem mais à vontade. Só trocamos de mesa! Mas ainda há pessoas que valorizam pequenos gestos!!! Estas "Jesusincidências" fazem-me sentir tão feliz! E aquela família não podia sequer imaginar que, nós duas - eu e a B. - estivemos ali, maioritariamente a falar da igreja e da fé onde Eles, momentos antes tinham introduzido o seu filho. Que bonito!!!
A conversa foi muito positiva e necessária... Aos 18 puder ter a capacidade e a humildade de pedir a alguém mais velho (eu!!!) para a ouvir e ajudar a arrumar algumas ideias só pode ser sinal de que ainda há jovens muito bons e capazes de fazer mais e melhor, não só pela igreja, mas também pelo mundo. Saber que se tem responsabilidades e que temos que ser exemplo para os outros, que Deus nos criou em harmonia com tudo o que existe para a felicidade plena, preocupar-se com os que estão à nossa volta, estar de coração cheio com a homilia que se ouviu de manhã e tanto, tanto mais... faz-me - de novo - ficar extremamente orgulhosa por ter ajudado "um ser" assim a crescer!!!
Depois a noite terminou com a reunião do grupo, com uma catequese diferente que não foi mais do que um validar de tudo o que eu já sabia e que sentia. Ontem, em dia de Espírito Santo, pude senti-lo na minha vida verdadeiramente, como naquela manhã de pentecostes e como em tantas outras...
E, como o Z.P. ontem nos dizia, quando passamos por certas coisas que nos marcam profundamente temos dificuldade de arranjar palavras para o que foi aquele momento e o que se sentiu... Ontem e este fim-de-semana foi assim! Amém.